top of page

Fatores de Risco Associados a Complicações Após Gastrostomia Endoscópica Percutânea



(*Risk factors for postoperative bleeding and early death in percutaneous endoscopic gastrostomy: A multicenter retrospective study*, Janeiro de 2022, Journal of Gastroenterology and Hepatology)


Este estudo retrospectivo avaliou 1234 pacientes submetidos à gastrostomia endoscópica percutânea (PEG) em vários hospitais associados à Osaka Medical and Pharmaceutical University de 2015 a 2020. Identificou-se que técnicas de inserção do tubo via método modificado, baixa contagem de plaquetas, uso de antiplaquetários e heparinização aumentam o risco de sangramento. Fatores como baixo índice de massa corporal, níveis reduzidos de albumina sérica e comorbidade de câncer ativo estavam relacionados a uma maior taxa de mortalidade precoce.


Insights para a prática:

- Preparo Pré-Operatório Rigoroso: Intensificar a avaliação pré-operatória, especialmente em relação ao estado hematológico e ao uso de anticoagulantes.

- Gerenciamento de Medicamentos: Adequar o uso de medicamentos que afetam a coagulação antes do procedimento.

- Suporte Nutricional e Clínico: Monitorar e ajustar o suporte nutricional para pacientes com alto risco de complicações.


Otimização do Momento para Colocação de Gastrostomia: Evidências e Impactos

(*Reduction of Unnecessary Gastrostomy Tube Placement in Hospitalized Patients*, Junho-Julho de 2022, The Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety)Este estudo, realizado em um centro médico acadêmico, investigou a colocação de tubos de gastrostomia, adotando uma iniciativa que adiava o procedimento até que os pacientes estivessem estáveis para alta. Com uma diminuição significativa no número de procedimentos desnecessários, o estudo demonstrou uma gestão mais eficiente do tempo entre o diagnóstico de condições como AVC e a colocação do tubo, bem como entre a colocação do tubo e a alta hospitalar.


Insights para a prática:

- Adiamento Estratégico de GTP: Considerar o adiamento da colocação de gastrostomia até que o paciente esteja estabilizado pode reduzir procedimentos desnecessários.

- Monitoramento de Indicadores de Tempo: Acompanhar os intervalos entre diagnóstico, intervenção e alta para otimizar os resultados.

- Revisão de Diretrizes Clínicas: Revisar e adaptar as diretrizes clínicas para refletir melhores práticas baseadas em evidências recentes.


Refinando o Momento para Gastrostomia em Pacientes de Trauma

(*Unnecessary Early Gastrostomy for Trauma Patients*, Dezembro de 2023, American Journal of Surgery)Este estudo retrospectivo avaliou a necessidade e o momento para colocação de tubo de gastrostomia (GTP) em pacientes de trauma. Observou-se que 12,5% dos pacientes conseguiram atingir uma ingestão calórica oral adequada (>75%) antes da alta hospitalar, sugerindo que muitos poderiam não precisar de GTP precoce. Adicionalmente, 7,5% enfrentaram complicações relacionadas ao GTP, como infecções e deslocamento do tubo, reforçando a necessidade de reavaliar os critérios para sua implementação.


Insights para a prática:

- Reavaliação dos Critérios de GTP: É essencial redefinir os critérios para GTP em pacientes de trauma para evitar procedimentos desnecessários e suas complicações.

- Monitoramento Pós-Procedimento: Acompanhar de perto os pacientes após a colocação do GTP pode identificar precoce a possibilidade de retomada da ingestão oral e evitar complicações.

- Estudos Futuros Necessários: Estudos multicêntricos prospectivos são indicados para desenvolver diretrizes claras sobre o momento apropriado para a realização de GTP em pacientes de trauma.

107 visualizações

Comentários


bottom of page